CD

CD NATAL EM CORDAS
Lançado no ano 2011
adquira na loja virtual do site www.marcellocaminha.com














DETALHES DA GRAVAÇÃO E PRODUÇÃO DO CD, ENTRE FEVEREIRO E MARÇO DE 2011

MASTERIZAÇÃO

A masterização é um processo pelo qual passam todos os CDs, DVDs e demais mídias digitais depois de mixados. É a etapa final antes do envio para a fábrica, para a produção do CD propriamente dito. A masterização tem algumas semelhanças com a mixagem, só que na mix as faixas são tratadas uma a uma, aplicando-se todos os procedimentos apropriados a ela (veja os posts anteriores aqui no blog, que referem-se à mixagem). 
Na masterização é diferente. O trabalho é realizado como se todo o CD fosse "uma música só", ou seja, mexem-se em graves, médios e agudos, efeitos, etc., mas no CD como um todo, não mais em faixas específicas como até então se fazia na mixagem. Na master, são aplicados efeitos como ampliação da ambientação, compressão, limpeza de ruídos em geral, entre outros. A masterização tornou-se praxe depois que chegou a era digital, com o advento do Compact Disc. No tempo do vinil a coisa era bem mais "bruta", pois muita coisa que ficava (barulhinhos e sobras em geral) não era percebida em função do formato analógico.
A masterização do CD NATAL EM CORDAS já está concluída e foi realizada com muita habilidade pelo Eng. Marcos Abreu, o "masterizador" mais conhecido aqui dos pagos gaúchos. Nos próximos dias estarei em volta com a capa do CD. Quando tiver alguma coisa meio pronta eu dou uma palhinha pra vocês aqui no blog. 

um baita abraço

até o próximo.


MIXAGEM DO CD NATAL EM CORDAS - PARTE 3

Ambientação

Feito o posicionamento e o ajuste de volume, cada instrumento gravado deve ser inserido em um “ambiente”. Isso significa a simulação de um determinado lugar onde supostamente se estaria tocando. Por exemplo,  o REVERBER, que é o efeito mais utilizado em violões, simula salas das mais variadas que vão desde igrejas até pequenas salas de concertos. Então, a gente ouve o violão e nos representa que ele está sendo tocado dentro de um determinado ambiente. No momento da captação, todos os instrumentos são gravados SEM EFEITO, para que este fator possa ser trabalhado depois, na mixagem. Em geral, as salas de gravação dos estúdios, quando são construídas,  sofrem um tratamento acústico o qual determina que a mesma não promova nenhum tipo de reverberação, para não haver interferência depois, quando se aplicar a reverberação artificial. O reverber é “parente” do famoso ECO (som com repetições), que também é aplicado eventualmente na forma de um familiar mais moderno: o DELAY. Como o reverber  é um efeito que produz um som bastante agradável, a tendência é que sempre se exagere um pouco na sua utilização. Porém, devemos ter muito cuidado para não “encharcarmos” os violões e nos distanciarmos demais do som natural do instrumento. No CD NATAL EM CORDAS, cujas músicas tem temática religiosa em certo ponto, utilizei uma boa dose de reverber, como se o violão estivesse sendo tocado dentro de uma igreja.



MIXAGEM DO CD NATAL EM CORDAS - PARTE 2
O ajuste dos volumes

O ajuste de volume dos instrumento gravados é fator de extrema importância no momento da mixagem. Quanto mais instrumentos forem gravados, mais difícil se torna fazê-los aparecer e torná-los audíveis, pois começa a haver uma espécie de "competição" entre tudo que foi gravado e cabe ao técnico e ao produtor saber como estabelecer a intensidade do som de cada elemento, de acordo com a sua função dentro do conjunto. O volume é a quantidade de dB (decibéis) disponibilizados para cada instrumento e pode ser manipulado em cada pista (track) como um todo ou pode ser “pilotado” manualmente, diretamente no local onde se torna necessária a intervenção. Por exemplo: você tem uma frase de violão em que 2 notas, por um motivo ou por outro, ficaram mais baixas. Então, você pode usar o ajuste manual de volume e subir somente as 2 notas que estavam baixas.  Na questão dos volumes existe uma espécie de hierarquia entre os instrumentos gravados de acordo com a sua função dentro da música. O solo principal, que "canta" a melodia, tem prioridade; após, logo em seguida vêm as segundas-vozes ou os contracantos; mais abaixo os violões-base e assim por diante. É claro que a boa presença do instrumento não é garantida somente pelo volume. O mais importante é que a captação seja bem feita porque aí estaremos garantindo uma maior facilidade de trabalho em todas as etapas da mixagem. Quanto mais bem captado for um instrumento menos precisaremos ajustar equalização, timbre, etc. No CD NATAL EM CORDAS você vai observar que, em algumas músicas, existem vários violões, onde cada um deles tem uma função e, portanto, um volume apropriado.

Na próxima oportunidade irei falar sobre ambientação. Até lá!

  

MIXAGEM DO CD NATAL EM CORDAS - PARTE 1

A gravação de um CD divide-se basicamente em duas etapas: Captação e Mixagem. Embora a expressão mix sugira “mistura”, “mescla”, é na mixagem que as coisas se separam. Na etapa de captação, onde se registra o som de cada instrumento ou voz (veja abaixo), vamos “amontoando sonoridades” pois gravamos violões base, violões solo, contrabaixo, percussão, acordeon etc, sem a devida preocupação de dar ordem a tudo isso (mesmo que já saibamos o que vamos utilizar de cada sonoridade captada). Na mixagem sim, tratamos separadamente cada Track (canal utilizado) e colocamos tudo nos seus devidos lugares.
Uma mixagem básica aborda 4 aspectos: Definição sonora, ambientação, posicionamento e presença.
A definição sonora é obtida através da equalização, onde os principais grupos de frequências gerados pelos instrumentos são devidamente analisados e tratados, podendo ser aumentados ou diminuídos em volume pela utilização de equalizadores e/ou compressores.
A ambientação é feita, como o próprio nome sugere, gerando-se um ambiente para cada instrumento. Aí entram os reverbers. Geralmente, os mais utilizados são os efeitos que simulam salas de vários tamanhos, o que para violão funciona muito bem.
A presença é garantida pelos volumes. Cada instrumento gravado trabalha com um volume, mais alto ou mais baixo, de acordo com sua função. 
Por último, o posicionamento leva em conta a distribuição de tudo que foi gravado dentro do plano estéreo (se estivermos falando em mix 2.0). É o momento em que colocamos cada instrumento no seu lugar. Utilizamos uns botõezinhos chamados PAN (de panorâmico) e então, quando você sentar na frente das caixas de som ouvirá um violão de um lado, uma percussão de outro, a voz bem no meio, um solo mais à esquerda, outro mais à direita etc. 
No quadro abaixo, você terá uma noção desta última etapa da mix conhecendo, em linhas gerais, o posicionamento que iremos adotar para cada instrumento gravado no CD NATAL EM CORDAS.




Na próxima oportunidade, voltarei a falar mais um pouco sobre as etapas da mixagem.

até lá!



Gravação de PERCUSSÃO no CD NATAL EM CORDAS


Ontem (09.02) gravamos as percussões, que foram tocadas por Marcello C. Filho. Bombo leguero, tumbadoras, bongô, vaso, pandeiro e alguns elementos de bateria como surdo e caixa foram usados na gravação, além dos efeitos e perfumarias.

 Embora o kit de percussão seja montado como se fosse para tocar em palco, cada instrumento é tocado individualmente. Por exemplo, a tumbadora. Gravam-se todas as músicas que tem tumbadora utilizando a microfonação apropriada e depois passa-se para outro instrumento gravando-o em todas as faixas que levam esse instrumento, etc, etc.
 Microfonação - Não há critérios específicos para microfonar percussão, a não ser a orientação do uso de microfones específicos para captar determinados grupos de frequências, graves, médias e agudas, dependendo da característica de cada instrumento.
 Por exemplo, no bombo (foto acima) usamos 2 microfones: um SHURE SM57 para captar o som da borda e os médios e agudos e um SHURE BETA57 (embaixo), que é um mic usado para captar bumbo de bateria, para captar os graves do bombo. 
 Em estúdio tudo que soa bem deve ser aproveitado. Às vezes, instrumentos que estão fora do kit convencional (surdo de bateria, por exemplo, na foto acima) são experimentados, soam bem para a música e são gravados. O que importa é a sonoridade que estamos buscando, independente até do gênero musical do disco que está sendo produzido.


Gravação de CONTRABAIXOS no CD NATAL EM CORDAS


Ontem (08.02) gravamos a etapa dos contrabaixos no CD. Foram utilizados os baixos nas versões convencional (elétrico, 6 cordas), fretless (sem trastes) e acústico, todos executados por Felipe Álvares.


Microfonação - para os baixos elétrico e fretless usamos a sonoridade proveniente de um cubo Peavey, provinda de duas fontes: 1) da linha (baixo ligado no cubo com um cabo, passando pelo pré-amp. do cubo e indo para a placa de som do PC; 2) sonoridade proveniente do alto-falante do cubo, captada com um mic Behringher B5, esta passando por um pré Behringuer antes de entrar na placa.




O contrabaixo acústico foi captado através de uma microfonação composta pelo seguinte conjunto: 1 mic AKG C3000 no braço do instrumento objetivando a captação da sonoridade resultante do movimento dos dedos; um par de Behringher B5, em posicionamento X-Y visando a captação do espectro sonoro principal do instrumento, na frente do tampo do contrabaixo; 1 mic shure SM57, colocado entre o cavalete e o tampo, visando a captação das frequências médias.

 Por que utilizar vários microfones?
Cada microfone oferece um tipo de timbre. No momento da mixagem, que é a etapa da gravação onde a gente "mistura"tudo que foi gravado e coloca cada instrumento no seu devido lugar e com o seu volume e timbre apropriados, a gente cria uma espécie de "composto sonoro"para cada instrumento, utilizando todas as fontes sonoras captadas desse instrumento.
Então, exemplificando com o contrabaixo, juntamos o som de todos os microfones captados, misturamos tudo como se fosse uma receita de bolo e escolhemos a "pitada"certa de cada timbre oferecido pelos diferentes microfones.
 O CD NATAL EM CORDAS terá uma faixa executada somente por contrabaixos onde serão usados na mesma música as 3 versões do instrumento: elétrico, fretless e acústico, em um arranjo especialíssimo criado por Felipe Álvares. Acho que vai ficar muito legal. aguardem!

Gravação de ACORDEON no CD NATAL EM CORDAS

Matheus Kleber
Ainda no Estúdio SOMA, em Porto Alegre, gravamos, no dia 01 de fevereiro, a parte do acordeon do CD Natal em Cordas. Com execução do músico Matheus Kleber, que participa também do show Natal em Cordas, o acordeon estará presente em três faixas do disco.

Microfonação - para o teclado usamos um par de Neumann U87, posicionado nos extremos da escala (já pensando na concepção da mixagem posteriormente) e na baixaria um AKG C414. São excelentes microfones cuja combinação dos 3 rendeu um timbre muito bom. Aguardem o CD para conferir.

Gravação de HARPA no CD NATAL EM CORDAS

Beatris Barbier - Harpista
A captação da Harpa foi realizada no Estúdio SOMA, no dia 01 de fevereiro, em Porto Alegre. A harpa estará presente em 4 músicas do CD, inclusive em um tema solo de autoria da Harpista Beatris Barbier.
Microfonação - A harpa é um instrumento bastante delicado quanto à captação acústica pois suas 37 cordas emitem uma ressonância bastante intensa que gera uma forte sobreposição de frequências. As cordas diminuem a ordem de frequência (Hz), da esquerda pra direita (na foto), ou seja, as agudas são as mais curtas, posicionadas próximo à executante, e as mais graves são as mais longas, no lado oposto. A harpa apresenta uma caixa de ressonância que funciona como um violão, só que a boca fica bem embaixo, direcionada para o chão. Neste caso, usamos um par de microfones Neumann U87 posicionados ao lado do instrumento o que soou muito bem para a finalidade que estamos buscando que é aproveitar ao máximo a acústica do instrumento e a boa qualidade do som ambiente (ressonância natural) que nos proporcionou a sala do estúdio.


Gravação de GUITARRÓN no CD NATAL EM CORDAS- parte 2

Continuando o comentário sobre microfonação dos instrumentos utilizados no CD, desta vez comentaei sobre como foi feita a microfonação do Guitarrón em uma música solo para este instrumento (ainda sem nome definido) que estará no CD.
a microfonação utilizada foi a seguinte:
1) 2 Behringher B5 em posicionamento X - Y, com a mesma proposta usada anteriormente;
2) 1 Rohde K2 posicionado bem na frente do instrumento para captar o espectro geral;
3) 2 AKG C3000, sendo que um deles posicionado no meu lado direito, para captar a sonoridade grave e ressonâncias provenientes do corpo do violão, e outro posicionado próximo ao braço do Guitarrón, para captar ruídos e sons naturais gerados pela mão esquerda.
Posteriormente, no momento da mixagem, cada microfone será colocado em uma posição específica no campo panorâmico estéreo e serão potencializadas suas características peculiares.
esperamos obter um bom resultado...



Gravação de GUITARRÓN no CD NATAL EM CORDAS:

Ontem gravamos as partes referentes ao Guitarrón. Utilizei o instrumento como "base 3 dedilhada" em algumas músicas, intercalando com os "bases 1 e 2 batidos".

Microfonação: 2 mic Behringuer B5 em posicionamento X-Y, sendo que o mic direcionado para a caixa do guitarrón tem a função de captar os graves e o outro para captar o "brilho" proveniente do braço do guitarrón. Ambos os microfones foram selecionados para a opção "Cardióide" onde o expectro de ação da cápsula torna-se direcional.

Intrumento: Utilizamos uma adapatação para guitarrón do violão modelo VIOLÃO GAÚCHO, que se mostrou perfeitamente compatível com a proposta desejada.


Olá amigos,

concluímos ontem a gravação dos violões nylon do CD;

A microfonação utilizada nesta etapa foi a seguinte:

* 2 Behringher B5 em posicionamento X-Y, captando todo espectro sonoro gerado pelo violão desde o braço até a caixa;
* 1 Rohde K2 em posição frontal, que, pelas características do microfone, capta frequências mas agudas e proporciona mais brilho ao composto sonoro que será o resultado da mescla dos 3 microfones e definirá a sonoridade do violão no CD.

O violão utilizado foi VIOLÃO GAÚCHO modelo MARCELLO CAMINHA I - confeccionado pela Luthieria Perfect Wood http://www.luthieriaperfectwood.blogspot.com/





Ontem entramos em estúdio para dar início à fase de gravação do CD NATAL EM CORDAS. Fomos muito bem recebidos no Estúdio DIGITAL em Bagé, pelo meu amigo Hugo Pegas e, pelo resultado das primeiras audições, vai sair um baita som...!